Seminário debate formas de enfrentar violência contra idoso

18 de junho de 2012

O Governo do Estado, por meio da Secretaria da Saúde, reúne nesta terça-feira (19) profissionais de saúde da atenção básica e representantes das instituições participantes da Rede Nacional de Proteção e Defesa da Pessoa Idosa no Ceará (Renadi), no IV Seminário de Enfrentamento à Violência contra a Pessoa Idosa, que acontece no Hotel Mareiro, Avenida Beira Mar, 2380, Meireles, das 8 às 17 horas. Dentre outros temas, o seminário vai debater o impacto da violência na qualidade de vida do idoso e a prevenção e atenção ao idoso vítima de violência.

Segundo as principais causas externas de óbitos, em 2009, morreram no Estado 527 pessoas com mais de 60 anos de idade vítimas de acidentes de trânsito, homicídios, suicídios, entre outros agravos.  Desse total, foram registrados 177 óbitos em acidentes de trânsito. Os homicídios somaram 95 nessa faixa etária. Entre os idosos, assim com entre os jovens, a violência mata mais homens do que mulheres. Enquanto chegou a 131 o número de óbitos do sexo masculino em acidentes de trânsito a quantidade em mulheres a partir dos 60 anos ficou em 46. Vítimas de homicídio foram registrados 87 óbitos em homens com mais de 60 anos no Ceará, em 2009, contra oito no sexo feminino.

O Estado segue a tendência nacional de vida mais longa. Segundo o IBGE, o crescimento absoluto da população do Brasil do ano 1991 a 2010 no Brasil ocorreu principalmente devido o aumento da população adulta, com destaque para o crescimento da participação da população idosa. Em 1991, a participação era de 4,8% no total da população, em 2010 passou para 7,4%. No Ceará, a população de idosos aumentou nesse período de 10 anos em 61%. Dados do censo 2010 revelam que há no Estado 1 milhão e 63 mil pessoas com mais de 60 anos de idade vivendo no Ceará.

Para que os casos de violência sejam reconhecidos e tratados devidamente, a Sesa elaborou no ano passado um guia de notificação para utilização nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs). No guia, os profissionais são alertados para a importância da notificação dos casos, chamando a atenção paras as alterações comportamentais e sinais de situação de violência. Entre eles, choro sem motivo aparente, tristeza constante, tiques ou manias, distúrbios do sono, uso abusivo de álcool e outras drogas. Estão incluídos todos os tipos de violências: física, psicológica, tortura, sexual, negligência, abandono e até a violência financeira e econômica, que consiste na exploração imprópria ou ilegal ou no uso não consentido de recursos financeiros e patrimoniais, mais comum no âmbito familiar e contra as pessoas idosas.

No âmbito do SUS, a Política de Atenção ao Idoso busca garantir atenção integral à Saúde da população idosa, enfatizando o envelhecimento saudável e ativo e fortalecendo o protagonismo das pessoas idosas. São diretrizes para a atenção integral à saúde do idoso a promoção do envelhecimento ativo e saudável; a manutenção e reabilitação da capacidade funcional; e o apoio ao desenvolvimento de cuidados informais.

 

18.06.2012

Assessoria de Comunicação da Sesa
Selma Oliveira – (85) 3101-5220 / 5221