Empresa de beneficiamento de algas marinhas se instalará no Ceará

1 de junho de 2010

O presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Francisco Zuza de Oliveira, assinou na segunda-feira (31/05), Memorando de Intenções com a Empresa Sete Ondas Biomar, para a produção de algas úmidas no litoral cearense. Por meio do documento assinado, a empresa se instalará no município de Chorozinho, Região Metropolitana (RMF), e será responsável pela implantação de uma estrutura de cultivo intensivo de algas úmidas em sete municípios cearenses (Icapuí, Aracati, São Gonçalo do Amarante, Paracuru, Trairi, Acaraú e Camocim).

 

As algas úmidas são insumo necessário para a produção da goma Carragena, um importante estabilizante utilizado principalmente pela indústria alimentícia na produção de achocolatados e sorvetes. Segundo o diretor da empresa, Alexandre Feder, a indústria demanda entre oito milhões a dez milhões de toneladas das mais variadas espécies de algas úmidas por ano. No Ceará, informa Feder, a empresa pretende produzir 800 mil toneladas por mês de Carragena.

 

Já o diretor de agronegócios da Adece, Fernando Pessoa, fez questão de destacar o alcance social do projeto. “A atividade representará um avanço para auto-suficiência do mercado brasileiro e um resgate social para as comunidades litorâneas do Ceará”. Pessoa ressaltou ainda que a implantação da atividade vai garantir renda o ano inteiro para as pessoas que vivem exclusivamente da pesca extrativista. As algas são colhidas a partir do crescimento natural ou por meio do cultivo, entretanto, 90% da produção é oriunda do cultivo. Atualmente, existem 42 países produzindo a Carragena em escala comercial. China, Filipinas e Indonésia lideram o segmento. No Brasil, o mercado de algas marinhas é recente e ainda artesanal.

 

01.06.2010

Assessoria de Imprensa da Adece

César Espíndola (cesar.imprensa@adece.com.br / 3244.7980)