Quixeré é pioneiro no País com projeto de Agricultura Familiar com energia renovável

29 de dezembro de 2015

A unidade de beneficiamento de fruta com uso de turbina eólica funciona desde outubro de 2015 no município de Quixeré e garante renda a mais de 50 pessoas

Com investimento de R$83 mil através do Fundo Estadual de Desenvolvimento da Agricultura Familiar (Fedaf), o agricultor familiar Francisco Ednaldo Clementino Gonçalves vem dando passos pioneiros quando o assunto é inovação. É iniciativa sua a aplicação de energia eólica numa unidade de beneficiamento de fruta na comunidade de Barreiras, zona rural do município de Quixeré, a 218 quilômetros de Fortaleza.

“Quando tivemos a ideia muitos achavam que fosse difícil ter potencial, porque aparentemente não tínhamos tanto vento assim. Mas o estudo de viabilidade feito na Alemanha comprovou que não só tinha potencial, mas, também, um ótimo potencial”, diz alegre Ednaldo, explicando que na parte mais alta da turbina o vento é forte e constante. Atualmente, a turbina eólica gera 400 Kw (quilowatt) de energia, que abastece a produção de manga, cajá, goiaba, uva, abacaxi, acerola, tamarindo entre outras frutas.

Quem vê, no entanto, a conquista do produtor não imagina as dificuldades e o quanto lutou para que tudo fosse um sucesso há mais de 10 anos. Atual presidente da Associação Comunitária Ribeirinha de Barreiras, que conta com 20 associados, Ednaldo precisou vencer práticas antigas e inadequadas para o uso de defensivos orgânicos, por exemplo.

Os resultados da persistência em práticas agroecológicas e sustentáveis já vieram: a segunda fábrica de beneficiamento de frutas, mais moderna e que vai gerar mais emprego e renda na comunidade, deve ficar pronta em 2016 com recursos do projeto São José e Fedaf, no total de investimento de R$400mil, 10 anos para pagar e dois anos de carência. Em 2016 serão aproximadamente 30 empregos diretos e mais de 70 indiretos entre produtores, vendedores, entregadores, comerciantes, microempresários. Cada trabalhador nessa cadeia produtiva recebe, em média, um salário mínimo e meio e dependendo do período esse valor pode aumentar.

Desenvolvimento sustentável

Se há uma prática de produção agroecológica que é modelo a ser estimulada ela está na unidade de beneficiamento em Barreiras. Com apoio técnico de técnicos da Ematerce (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural) e do Sebrae (Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), os associados foram se especializando em práticas como uso e produção de defensivos naturais para combate às pragas, irrigação por gotejamento, enxerto de frutas, além de cursos de capacitação e formação. “Tá tudo aqui na natureza. O biofertilizante é feito à base de urina de vaca, esterco, microorganismos que aprendemos a produzir com arroz e terra e melaço de cana”, esclarece Ednaldo.

Atendendo ao mercado de comerciantes de Fortaleza, pequenos comerciantes e setor público como escolas, Ednaldo só vê possibilidade de crescimento para o setor. “Já vendemos 40mil quilos de frutas para Prefeitura de Fortaleza mas, infelizmente, restringiu-se a nossa participação proibindo a venda dos agricultores familiares do interior e permitindo a venda de 30% dos produtos apenas por cooperativas da Região Metropolitana de Fortaleza. “Só desejamos que 5% das compras do Governo venham do interior. Já é o suficiente para nossa sobrevivência no mercado”, diz Ednaldo, que deve se encontrar com o secretário Dedé Teixeira nos próximos dias para definir uma política de comercialização dos produtos para o Governo.

Investimento

Com o investimento de R$ 242,5 mil em equipamentos para a geração de energia limpa, o Governo do Estado do Ceará, através da Secretaria do Desenvolvimento Agrário (SDA) e o Fundo Estadual de Desenvolvimento da Agricultura Familiar (FEDAF), vem apoiando famílias, nos municípios de Quixeré (na comunidade da Lagoinha) e em Irauçuba (na comunidade Saco do Vento), com a implantação de 24 placas solares (sendo 12 placas em cada município), que servem para a geração de energia e é distribuída para irrigação de bananeira.

O Fedaf possui projetos instalados e em funcionamento que auxiliam os produtores rurais na geração de energia a partir de recursos naturais. O primeiro projeto está voltado para a micro geração de energia solar, localizado na comunidade Saco do Vento e atende a 10 famílias (em 10 residências) mais uma central de bombeamento de água para a comunidade que é utilizada na irrigação da agricultura familiar. O outro projeto é de micro geração de energia eólica no município de Quixeré na comunidade da Lagoinha.

A instalação das placas serviu de protótipo para o Estado e agricultores. Devido a baixa quantidade de chuvas no estado, a energia convencional, gerada a partir de usinas hidrelétricas, se torna cara para quem vive da agricultura e isso faz com que se busque outras fontes de energia. “O objetivo principal do projeto é diminuir os custos para o produtor rural e também ajudar a conservação do meio ambiente, já que a energia solar é uma fonte limpa de energia”, afirma o secretário executivo do Fedaf, Marco Aurélio.

Mais sete projetos a serem instalados em 2015

Esta não é a única iniciativa do estado, no que se refere ao uso de placas solares, para a irrigação de bananeira, pois existem sete projetos tramitando no Banco Nacional do Nordeste (BNB). Cinco projetos estão voltados para o município de Quixeré, um em Aracati, no projeto João Paulo II e mais um na Cooperativa Agroecológica da Agricultura Familiar dos Caminhos de Assis, em Maranguape (Cooperfam) totalizando 36 placas solares a serem instaladas, além da micro geração de energia eólica instalada na comunidade de Barreiras.

29.12.2015

Assessoria de Comunicação da Secretaria de Desenvolvimento Agrário
Aécio Santiago – aecio.santiago@sda.ce.gov.br – 85- 3101-8137
Bruno Andrade – bruno.martins@sda.ce.gov.br – 85- 3101-8137

Sabrina Lima
Gestora de Célula/Secretarias


Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado
Casa Civil / 85 3466.4898