Ciopaer 20 anos: uma mulher pilotando nas forças de segurança do Estado

30 de junho de 2015

Pilotar helicóptero, salvar vidas, perseguir criminosos. Uma rotina bastante cheia de emoção. Porém, são poucas as  mulheres desempenhando tal função. Na Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer), a tenente Lívia  Marinho de Carvalho Galvão representa o sexo feminino com muita paixão pelo que faz, como a única mulher piloto das  forças de segurança do Estado do Ceará.

Rdestaquecopilota4Dividindo as tarefas com os cuidados com a recém-nascida filha Pietra, Lívia almeja alçar voos cada vez mais altos dentro  da Coordenadoria.

Confira a entrevista completa:

– Lívia, conte um pouco sobre o seu início na Polícia Militar.

Ten. Lívia: Para ingressar na Polícia Militar passamos por Concurso Público, com provas teóricas, práticas, psicológicas e,  com a admissão, passamos por um curso preparatório de três anos, em que entramos como cadetes. Entrei em 2006 e,  seis meses após a posse, fui promovida a tenente. Conheci a Ciopaer durante a Academia, me interessei, me apaixonei pelas aeronaves. Eu já havia voado de avião, mas de helicóptero e pilotando, não. Fiz os cursos obrigatórios para pilotar e  hoje estou aqui, como co-piloto da Ciopaer, e trabalho também administrativamente junto com a escala de voo.

Rdestaquecopilota3– Como as pessoas reagem por você, uma mulher, exercer uma profissão em sua maioria desempenhada por  homens?

Ten. Lívia: Particularmente, sou orgulhosa de mim mesma por estar aqui, exercendo algo que me agrada. Na parte familiar,  todos têm admiração. E a população também vê com bons olhos porque não é comum. Eu sou a única na Ciopaer. Nas cidades  onde vamos, quando pousamos, as pessoas se admiram por ser uma mulher.

– O que mudou na sua vida após entrar para a Ciopaer?

Ten. Lívia: Minha vida mudou muito. É uma nova profissão, além de policial, sou piloto, uma função ímpar. Posso dizer que  mudou tudo. Cada missão é um aprendizado e a gente evolui profissionalmente pois não só a população depende de você, como a  sua própria vida e da tripulação está em risco. É gratificante estar aqui!

Rdestaquecopilota5– Quais foram as experiências mais marcantes atuando pela Ciopaer?

Ten. Lívia: Posso dizer que não tenho uma experiência em particular que foi mais marcante. Quando a sirene toca nos  convocando para uma missão, corremos para aeronave, nos informamos sobre qual tipo de ocorrência se trata, já estamos com adrenalina a mil para solucionar o problema, seja uma vítima se afogando, um carro roubado com perseguição, um resgate a vítima presa em ferragens, então não tem uma que marca mais, pois todas marcam. Vamos focados em resgatar em que tiver  que resgatar, prender quem tiver que prender, salvar quem tiver que salvar.

– Quais os seus planos dentro do Ciopaer?

Ten. Lívia: No Ciopaer sempre temos como crescer. Eu estou apenas começando, engatinhando. Há aeronaves que ainda quero  pilotar, há cursos a serem feitos. Isso é o que eu quero, sempre adquirindo novos conhecimentos.

– Você recentemente foi mãe. Isso de alguma forma a fez repensar a sua
profissão, já que ela é de risco?

Ten. Lívia: Se eu for pensar pelo lado que é uma profissão de risco, eu estou num mato sem cachorro, pois sou policial e piloto  de helicóptero, então, profissão perigo é a minha. Mas eu vou aprender com a minha filha e ela vai aprender comigo a confiar em  Deus, que é o que nos move e, enquanto estivermos aqui, é a mão Dele que está sobre nós.

Rdestaquecopilota6– Você acredita que as mulheres estão ganhando um espaço cada vez maior nas forças de segurança do Estado?

Ten. Lívia: De um modo geral, sim. Tanto que nos concursos públicos tem aumentado a procura por parte das mulheres e a  oportunidade está aí. Nós estamos chegando e abrindo caminhos, conquistando espaços não só para as mulheres mas para o  público em geral.

– O que o Ciopaer representa para você?

Ten. Lívia: O Ciopaer é muito importante na minha vida. É minha profissão, onde me realizo como profissional. Além disso, é  onde conquisto a minha independência. Hoje muitas pessoas procuram por emprego e eu posso dizer que eu tenho um que me  realiza e me satisfaz. 

Fotos: Queiroz Neto

30.06.2015

Thiago Sampaio
Repórter / Célula de Reportagem

Wilson Zanini
Gestor de Célula / Reportagem

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado
Casa Civil
comunicacao@casacivil.ce.gov.br / (85) 3466.4898