RMF registra o menor nível de desemprego desde dezembro de 2008

27 de novembro de 2013

Em outubro de 2013, a Região Metropolitana de Fortaleza apresentou redução da taxa de desemprego total, que caiu de 7,7%, em setembro, para 7,3% da População Economicamente Ativa (PEA), em outubro, a menor taxa mensal de toda a série histórica da PED/RMF, iniciada em dezembro de 2008. As informações são da Pesquisa de Emprego e Desemprego divulgada nesta quarta-feira (27) pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Social (STDS) e do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT), e pelo Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese).
 
O crescimento do contingente de ocupados (5 mil) e a redução da PEA (-3 mil) fizeram com que o número de desempregados diminuísse (-8 mil), passando a ser estimado em 132 mil pessoas, o menor da série histórica. O tempo médio de procura por trabalho despendido pelos desempregados permaneceu estável em 27 semanas.
 
Foram gerados 5 mil postos de trabalho (0,3%) na RMF, em outubro de 2013, na comparação com o mês anterior. O total de ocupados foi estimado em 1.680 mil pessoas. O desempenho foi proveniente do aumento do número de postos de trabalho no comércio e reparação de veículos automotores e motocicletas (6 mil ou 1,5%) e, em menor intensidade, no setor de serviços (2 mil ou 0,3%).
 
Embora em outubro tenha havido redução na indústria de transformação (-2 mil ou -0,6%) e estabilidade na construção, nos últimos doze meses, cresceram os postos de trabalho na indústria de transformação (5 mil ou 1,6%) e na construção (5 mil ou 3,8%).
 
Destaca-se o crescimento do emprego assalariado (9 mil), resultado da ampliação do emprego no setor privado (10 mil) e da redução do emprego no setor público (-1 mil). Elevou-se o nível ocupacional dos autônomos (3 mil) – a sexta elevação seguida – e reduziu-se o do emprego doméstico (-4 mil) e do agregado demais posições (-3 mil).
 
“Em um contexto geral, também não podemos deixar de observar a redução expressiva do número de trabalhadores inseridos no emprego doméstico. Nos últimos doze meses, registrou-se uma diminuição de 21 mil postos de trabalho (-16,3%)”, acrescenta ainda o presidente substituto do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho (IDT), Gilvan Mendes.
 
Entre agosto e setembro de 2013, os rendimentos médios reais dos ocupados (0,2%) e dos assalariados (-0,2%) mantiveram-se em relativa estabilidade, passando a ser estimados em R$ 1.109 e R$ 1.164, respectivamente.

 

27.11.2013
 
Assessoria de Comunicação do IDT
Ana Clara Braga
anaclara@idt.org.br / 85 3101.5500

Última atualização em Qua, 27 de Novembro de 2013 16:25