Uece qualifica profissionais da área de saúde que trabalham com dependentes químicos

4 de novembro de 2013

O Curso de Formação Permanente para Profissionais que atuam nas Redes de Atenção Integral à Saúde e de Assistência Social com Usuários de Crack e outras Drogas será aberto às l5h30, da próxima quinta-feira (07), no Auditório Paulo Petrola, do Campus do Itaperi, em solenidade presidida pelo reitor da Universidade Estadual do Ceará (UECE), Jackson Sampaio. Voltado para profissionais de diferentes áreas da saúde, o curso será formado por quatro turmas. As inscrições prosseguem até esta quinta-feira (05), na secretaria do Curso de Mestrado Acadêmico em Saúde Pública (CMASP), no Campus do Itaperi, no horário das 08h às 11h30min e das 14 horas às 16h30min.

Os inscritos, que até agora, somam mais de 100, são de Fortaleza e de municípios do interior do Estado, como Aquiraz, Cascavel, Chorozinho, Eusébio, Guaiúba, Horizonte, Itaitinga, Maranguape, Pacajus, Pindoretama e São Gonçalo do Amarante. Segunda a coordenadora do projeto, professora Maria Salete Bessa Jorge, o curso vai qualificar profissionais médicos, agentes comunitários de saúde, do Sistema Único de Saúde (SUS), e do Sistema Único de Assistência Social (SUAS).

O calendário com as datas para o início das aulas será divulgado após o encerramento das inscrições. Conforme os objetivos, além de capacitação para os profissionais, o curso estará voltado para a formação compartilhada e corresponsabilizada entre equipes, usuários, familiares e comunidade de projetos terapêuticos integrais e singulares construídos pela estratégia de gerenciamento de casos.

Recentemente, a Universidade Estadual do Ceará aprovou, junto ao Ministério da Saúde e a Secretaria Nacional de Políticas Sobre Drogas, o projeto para implantação do Centro Regional de Referência para Formação Permanente de Profissionais das Redes de Atenção Integral à Saúde de Usuários de Crack e Outras Drogas.

O Centro de Formação envolve a promoção da saúde e prevenção ao uso abusivo das drogas, prioritariamente, o crack. Tal recomendação está associada às necessidades do setor social (saúde, assistência social, dentre outros) que se apresentam no cotidiano das unidades de saúde e serviços de atendimento a pessoas envolvidas com a dependência química e os problemas decorrentes desta situação.

O enfoque dos cursos ofertados pelo Centro estará na resolutividade da atenção voltada para o cidadão que é atendido nestes serviços. A realidade será o ponto de partida para formulação de estratégias didático-pedagógicas que facilitem a expressão, descrição, análise e crítica construtiva para uma melhor abordagem nas situações de riscos decorrentes do uso do crack.

Mais Informações: Secretaria do CMASP, telefones: (85) 3101-9891 / 3101-9826

04.11.2013

Assessoria de Imprensa da Uece

Fátima Serpa (fatima.serpa@uece.br / 85 3101.9605)