Simpósio apresentará dados do Programa de Atenção Integrado ao AVC

9 de maio de 2012

Com a participação dos maiores especialistas do país em Acidente Vascular Cerebral (AVC), o Governo do Estado, por meio da Secretaria da Saúde do Estado realiza de 10 a 12 de maio o I Simpósio Estadual de Epidemiologia do AVC, para apresentação e avaliação dos dados consolidados do Programa de Atenção Integral e Integrada ao AVC no Estado do Ceará. O simpósio acontecerá no Mareiro Hotel, Avenida Beira Mar, 2380, Meireles, das horas 8 às 17 horas na quinta e sexta-feira, dias 10 e 11, e das 8 horas às 12 horas no sábado (12). A programação prevê discussões em grupos e plenária sobre como os resultados do estudo hospitalar devem influenciar as políticas públicas de atenção ao AVC e debate com representante do Ministério da Saúde sobre a construção de um sistema de vigilância epidemiológica do AVC.

Único do Brasil aprovado pelo Conselho Estadual de Saúde, o Programa de Atenção ao AVC do Ceará é desenvolvido nas vertentes epidemiológica, assistencial e educativa. Iniciou as ações de vigilância epidemiológica em 2006, com o georreferenciamento de todas as mortes por AVC em Fortaleza. Em 2009 foi iniciado o estudo hospitalar, envolvendo 19 hospitais da Capital,  identificados por concentrar mais de 90% das mortes por AVC. Esses hospitais são visitados por uma equipe de seis pesquisadores que fazem a busca ativa de novos casos. Já são mais de 4,5 mil casos investigados. Marco do programa, a Unidade de AVC do Hospital Geral de Fortaleza (HGF), inaugurada em outubro de 2009, já atendeu 2,3 mil pacientes. Os pacientes tiveram acesso ao tratamento trombolítico e exames modernos como a tomografia realizada pelo tomógrafo multi-slice, que realiza o exame em apenas 5 segundos.

A Unidade de AVC do HGF reduz em 30% a mortalidade causada pela doença e em 50% a incapacitação dos vitimados. Por ano, são evitadas cerca de 150 mortes e 400 pacientes mantêm-se livres de sequelas graves, consideradas incapacitantes. É a maior unidade de AVC do país, com 20 leitos e equipe multiprofissional composta por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. A estruturação da Unidade de AVC do HGF foi uma decisão do Governo do Estado que contempla a prioridade da Secretaria da Saúde na atenção aos pacientes acometidos pela doença que mais mata no Estado, com mais de 4 mil óbitos registrados por ano, segundo o Núcleo de Informação e Análise em Saúde da Sesa.

Em 2011, o estudo epidemiológico sobre Acidente Vascular Cerebral (AVC) realizado pelo Comitê Estadual de Atenção ao AVC da Secretaria da Saúde do Estado foi destaque na edição de dezembro da revista Stroke, publicação da associação norte-americana de cardiologia (American Heart Association). Além da publicação do estudo, que objetiva descrever a frequência de fatores de risco, padrões de assistência, e os resultados em pacientes internados por AVC em Fortaleza, a publicação dedica editorial à experiência. Em abril deste ano, o Ministério da Saúde deu dimensão nacional à política de assistência em vigor no Ceará desde 2006, ao ampliar a assistência às vítimas de Acidente Vascular Cerebral e estabelecer novo protocolo de assistência ao paciente com AVC. Até 2014, o Ministério da Saúde investirá R$ 437 milhões para ampliar a assistência a vítimas de AVC.

O AVC é uma das mais importantes causas de mortes no mundo. Popularmente conhecido como derrame, a doença atinge 16 milhões de pessoas no mundo a cada ano. Destes, seis milhões morrem. Para enfrentar a epidemia silenciosa que ocorre no mundo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda a adoção de medidas urgentes para a prevenção e tratamento da doença, com o objetivo de colocar o tema em destaque na agenda global de saúde. No Brasil, em 2011, foram realizadas 172.298 internações por AVC (isquêmico e hemorrágico). Em 2010, foram registrados 99.159 óbitos por AVC. De acordo com o documento, a Linha do Cuidado do AVC deve incluir, necessariamente, a rede básica de saúde, SAMU, unidades hospitalares de emergência e leitos de retaguarda, reabilitação ambulatorial, ambulatório especializado, programas de atenção domiciliar, entre outros aspectos.

PROGRAMAÇÃO

10 de maio/2012

8h às 8h30min – Abertura
8h30min às 9h30min – Palestra
AVC – A doença que mais mata em nosso meio
João José Carvalho

9h30min às 10h – Discussão
10h às 10h30min – Coffee break

10h30min às 11h30min – Palestra
Vigilância Epidemiológica – da febre amarela ao AVC
Manoel Dias da Fonseca Neto – Coordenador da Coprom/Sesa

11h30min às 12h – Discussão
12 às 13h – Almoço

13h às 14h30min – Palestra
O perfil do paciente com AVC: oportunidades e ameaças
João José Carvalho

14h40min às 15h – Coffee break

15h às 17h – Discussões em grupos e plenária
Programa de Atenção Integral e Integrada ao AVC no Ceará: como os resultados do estudo hospitalar devem influenciar as políticas públicas
Coordenadores: Manoel Dias da Fonseca Neto, Dina Cortez, Cicera Machado, João José Carvalho, Georgiana Andrade, Poliana Pessoa

11 de maio/2012

8h às 10h – Mesa redonda
AVC – Os Olhares da Epidemiologia

8h às 8h30min – A epidemiologia das doenças cerebrovasculares
Fabrício Lima
8h30min às 9h – AVC: em que o  SIM pode ajudar
Daniel Bezerra
9h às 9h30min – Epidemiologia do AVC: a experiência de Joinville
Norberto Cabral
10h às 10h20min – Coffee break

10h20min às 12h – Mesa redonda
Programa de Atenção Integral e Integrada ao AVC no Ceará

10h20min às 10h40min – O desafio da Vigilância Epidemiológica do AVC no Ceará – João José Carvalho

10h40min às 11h10min – Atlas da Saúde
O Georefecenciamento do AVC – Gisele Sampaio

11h10min às 11h40min – Estudo Hospitalar: o perfil do paciente com AVC- João José Carvalho

11h40min  às 12h10min – Discussão
12h10min às 14h – Almoço

14h às 15h – Debate
Vigilância Epidemiológica do AVC no Ceará: resultados e perspectivas
Debatedores: Manoel Fonseca, Dina Cortez, Cícera Machado, João José Carvalho, Gisele Silva, Norberto Cabral, Fabrício Lima, Daniel Bezerra, Vivian Nagel, Georgiana Andrade e Poliana Pessoa

15h às 15h20min – Coffee break

15h30min às 17h – Debate com representante do Ministério da Saúde
Vigilância Epidemiológica das Doenças não Transmissíveis: construindo um Sistema de Vigilância Epidemiológica do AVC
Debatedores: Jarbas Barbosa da Silva Junior (Secretario de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde), Manoel Fonseca, Dina Cortez, João José Carvalho,  Gisele Silva, Norberto Cabral, Fabrício Lima, Daniel Bezerra

17h – Encerramento

12 de maio/2012

8h às 10h – Estudo Populacional
Oficina de Capacitação I

10h às 10h20min – Coffee break

10h20min às 12h – Estudo populacional
Oficina de Capacitação II

 

09.05.2012

Assessoria de Imprensa da Sesa
Selma Oliveira / Marcus Sá ( selma.oliveira@saude.ce.gov.br / 85 3101.5220/ 8733.8213)