Estado fomentará indústrias para atender demandas da Petrobras

16 de Fevereiro de 2011

O governador Cid Gomes e o presidente da Petrobras Sérgio Gabrielli se reuniram nesta quarta-feira (16), no Pavilhão da Residência Oficial, em Fortaleza, com representantes do setor produtivo e industrial do Ceará. Na pauta do encontro, a aproximação com o setor empresarial na tentativa de fomentar a produção de equipamentos e produtos para os projetos contidos do planejamento estratégico da empresa para 2011-2014, credenciando fornecedores para a Petrobras. No Ceará, os investimentos da empresa para os próximos quatro anos serão de US$ 2 bilhões, sendo US$ 1,4 bilhão para a implantação da Refinaria Premium II.

 

 

Durante a reunião, Cid Gomes destacou que considera o papel do Estado na economia insubstituível. Ele assumiu o compromisso de capacitar mão-de-obra para os empreendimentos, e prover o Estado com toda infraestrutura necessária para o empreendedorismo. “Isso vale tanto para a Petrobras, como para qualquer empreendedor desse Estado”, garantiu ao se referir a setores como energia, água, telecomunicações, transporte, incentivos fiscais, entre outros. Ao mencionar a construção de 127 escolas de educação profissional e a construção de um centro de treinamento técnico corporativo (CTTC), no Complexo Industrial e Portuário do Pecém, que capacitará 12 mil pessoas por ano, o Governador afirmou: “A Petrobras não terá queixa de que faltará oferta de capacitação de profissionais para os empreendimentos”, destacou.

 

 

O chefe do Executivo Estadual, na ocasião, determinou, através da Agência de Desenvolvimento Econômico do Ceará (Adece), a criação de uma Câmara Setorial de Petróleo e Gás. Já a Assembleia legislativa ficou a missão de criação de um Fórum permanente com representantes do setor empresarial onde se possa “amiudar” as demandas da Petrobras para que a indústria cearense busque atender. “O Ceará se dispõe publicamente a cumprir o papel de fomentar a indústria para atender a Petrobras”, assumiu o Governador. Cid lembrou o desafio do Estado de crescer acima da média nacional, uma vez que o Ceará representa 4,5% da população brasileira e só este ano de 2010, conseguiu atingir 2% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional.

 

 

O presidente Sérgio Gabrielli revelou que a estatal irá investir entre os anos de 2011-2014, US$ 224 bilhões, ou seja, R$ 361 bilhões e isso requer um volume de compras, considerado, muito elevado. De acordo com ele, a oferta nacional é, atualmente, insuficiente para atender essa demanda, e a ideia desse encontro, que também será realizado em outros estados (RS, MG, SP, RJ, PR), é de que os estados se mobilizem para atender as demandas de produção da Petrobras. “Estamos buscando a cadeia nacional de fornecedores de bens e serviços da Petrobras e procurando resolver qualquer gargalo para que as indústrias nos ofereçam cada vez mais seus produtos”, resumiu, destacando que são 3.200 componentes que podem ser fabricados com a garantia tanto do financiamento, como da compra por parte da estatal.

 

 

No Ceará, segundo apresentação do presidente, são 32 mil famílias fornecedoras da Petrobras, através da usina de Biodiesel instalada em Quixadá. Gabrielli disse ainda que aqui serão treinadas aproximadamente 19 mil profissionais, até 2014, em cursos voltados para a construção e montagens, para atender a demanda de produção da Petrobras nos próximos anos. Isso, de acordo com ele, é uma via de mão dupla, uma vez que atende a estatal e gera emprego e renda para o Ceará. Ao finalizar, Gabrielli comemorou os passos dados com a reunião, ao qual considerou “proveitosa”, e sugeriu que o fórum discuta soluções baseado em quatro eixos: Gestão, Fomento, Cadastro e Qualificação.

 

 

Participaram da reunião também o senador Inácio Arruda, o presidente da Assembleia Legislativa, Roberto Cláudio, o presidente em exercício da FIEC, Roberto Sérgio, secretários estaduais e deputados.

 

16.02.2011

 

Coordenadoria de Imprensa do Governo do Estado

Casa Civil (comunicacao@casacivil.ce.gov.br / 85 8878.8462)