Lula e Cid Gomes inauguram Banco Público de Cordão Umbilical

8 de junho de 2010

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador Cid Gomes inauguraram na noite desta terça-feira (8), no Hemoce, o primeiro Banco Público de Cordão Umbilical e Placentário do Norte e Nordeste. Eles foram recebidos pelo Ministro da Saúde, José Gomes Temporão; pelo Secretário da Saúde, Arruda Bastos; e pela diretora geral do Hemoce, Luciana Carlos. Com investimentos de R$ 3,5 milhões, o banco é o oitavo da Rede de Bancos Públicos de Sangue de Cordão Umbilical (Rede BrasilCord) a ser inaugurado.  Para o Presidente, o que era privilégio somente das regiões Sul e Sudeste, está se expandido para todo o Brasil, principalmente na área da saúde.

“O que anteriormente precisávamos buscar no exterior, temos agora no nosso país e com uma qualidade até mesmo superior”, comemorou Lula. “Cem entre cem cearenses precisam de um bom serviço público de saúde. Com mais esse empreendimento, uma grande parcela da população que tinha que recorrer fora do Estado e até do País por um transplante está sendo ajudada”, disse Cid Gomes.

Até 2011, a Rede pretende inaugurar bancos de sangue umbilical em Belém, Recife, Curitiba e Minas Gerais. Em uma segunda etapa, a Rede pretende construir bancos em Maranhão, Bahia, Amazônia e Mato Grosso do Sul. Segundo Temporão, apenas 25% dos pacientes encontram doadores nas famílias, o restante recorre ao Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME), que possui cerca de 1.600.000 doadores. “Com esses bancos de sangue umbilical, as chances de um paciente encontrar um doador compatível subiu de 10 para 60%”, afirmou o Ministro.

O presidente da Rede BrasilCord do Ministério da Saúde, Luís Fernando Bouzas, explicou que o banco armazenará e congelará, a princípio, 3.600 bolsas com células retiradas de cordão umbilical e placenta de recém-nascidos na rede
pública de saúde. O tanque que vai acondicionar o material fica resfriado a -190º C e completamente isolado em ambiente de risco biológico. Atualmente, o banco já possui estrutura para receber mais um tanque, chegando a atingir capacidade total de 7.200 bolsas de células crio-preservadas.

Funcionamento do Banco

 

Aqui no Ceará, a princípio, as mães que tiverem seus filhos na Maternidade Escola Assis Chateaubriant, no Hospital Geral César Cals e no Hospital Nossa Senhora da Conceição poderão doar as células-tronco dos cordões umbilicais de seus filhos para o Banco de Cordão. Elas precisam ter mais de 18 anos de idade, a gestação deve ser acompanhada pelos médicos das unidades, não correr riscos, não ter doenças genéticas ou transmissíveis. As bolsas de células-troncormazenadas poderão salvar a vida de milhares de pacientes no Brasil e no mundo, já que a Rede BrasilCord faz parte da NetCord, a rede mundial de doadores de medula óssea e de células do cordão umbilical.Cerca de 6 mil pessoas entram por ano na fila de espera por transplante de medula no Brasil 1.200 conseguem passar pelo procedimento.

Com o convênio assinado com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em 2008, a Rede BrasilCord recebeu um investimento de R$ 31,5 milhões do Fundo Social do BNDES para a construção de unidades em 8 estados, incluindo a do Ceará. Hoje, o sistema já conta com cinco bancos instalados no país. A meta é armazenar cerca de 50 mil bolsas com células de cordões umbilicais nos 13 bancos que passarão a formar a Rede. Além da construção dos
novos bancos de cordão, o recurso do BNDES será utilizado na compra de equipamentos das unidades já em funcionamento e treinamento de pessoal. São R$ 4 milhões em investimentos só no Ceará. 

 

08.06.2010

Coordenadoria de Imprensa do Governo com Assessoria de Imprensa do Hemoce

Casa Civil (comunicacao@casacivil.ce.gov.br / 3101.6247)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o governador Cid Gomes inauguraram na noite desta terça-feira (8), no Hemoce, o primeiro Banco Público de Cordão Umbilical e Placentário do Norte e Nordeste. Eles foram recebidos pelo Ministro da Saúde, José Gomes Temporão; pelo Secretário da Saúde, Arruda Bastos; e pela diretora geral do Hemoce, Luciana Carlos. Com investimentos de R$ 3,5 milhões, o banco é o oitavo da Rede de Bancos Públicos de Sangue de Cordão Umbilical (Rede BrasilCord) a ser inaugurado.  Para o Presidente, o que era privilégio somente das regiões Sul e Sudeste, está se expandido para todo o Brasil, principalmente na área da saúde.   “O que anteriormente precisávamos buscar no exterior, temos agora no nosso país e com uma qualidade até mesmo superior”, comemorou Lula. “Cem entre cem cearenses precisam de um bom serviço público de saúde. Com mais esse empreendimento, uma grande parcela da população que tinha que recorrer fora do Estado e até do País por um transplante está sendo ajudada”, disse Cid Gomes.   Até 2011, a Rede pretende inaugurar bancos de sangue umbilical em Belém, Recife, Curitiba e Minas Gerais. Em uma segunda etapa, a Rede pretende construir bancos em Maranhão, Bahia, Amazônia e Mato Grosso do Sul. Segundo Temporão, apenas 25% dos pacientes encontram doadores nas famílias, o restante recorre ao Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (REDOME), que possui cerca de 1.600.000 doadores. “Com esses bancos de sangue umbilical, as chances de um paciente encontrar um doador compatível subiu de 10 para 60%”, afirmou o Ministro. 

 

 

O presidente da Rede BrasilCord do Ministério da Saúde, Luís Fernando Bouzas, explicou que o banco armazenará e congelará, a princípio, 3.600 bolsas com células retiradas de cordão umbilical e placenta de recém-nascidos na rede pública de saúde. O tanque que vai acondicionar o material fica resfriado a -190º C e completamente isolado em ambiente de risco biológico. Atualmente, o banco já possui estrutura para receber mais um tanque, chegando a atingir capacidade total de 7.200 bolsas de células crio-preservadas.    Funcionamento do Banco  Aqui no Ceará, a princípio, as mães que tiverem seus filhos na Maternidade Escola Assis Chateaubriant, no Hospital Geral César Cals e no Hospital Nossa Senhora da Conceição poderão doar as células-tronco dos cordões umbilicais de seus filhos para o Banco de Cordão. Elas precisam ter mais de 18 anos de idade, a gestação deve ser acompanhada pelos médicos das unidades, não correr riscos, não ter doenças genéticas ou transmissíveis. As bolsas de células-tronco armazenadas poderão salvar a vida de milhares de pacientes no Brasil e no mundo, já que a Rede BrasilCord faz parte da NetCord, a rede mundial de doadores de medula óssea e de células do cordão umbilical.Cerca de 6 mil pessoas entram por ano na fila de espera por transplante de medula no Brasil. 1.200 conseguem passar pelo procedimento.   Com o convênio assinado com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) em 2008, a Rede BrasilCord recebeu um investimento de R$ 31,5 milhões do Fundo Social do BNDES para a construção de unidades em 8 estados, incluindo a do Ceará. Hoje, o sistema já conta com cinco bancos instalados no país. A meta é armazenar cerca de 50 mil bolsas com células de cordões umbilicais nos 13 bancos que passarão a formar a Rede. Além da construção dos novos bancos de cordão, o recurso do BNDES será utilizado na compra de equipamentos das unidades já em funcionamento e treinamento de pessoal. São R$ 4 milhões em investimentos só no Ceará.